10 novembro 2009

Joy Division - Biografia - Discografia


Os Joy Division sao uma banda de post/punk de manchester,inglaterra formada em 1976.
Foi, e é, uma das mais importantes bandas de rock da história. Fato incontestável. A prova disso é o culto na qual é alvo até hoje. Surgida no movimento pós-punk de Manchester, de onde não paravam de surgir bandas, todas influenciadas pela anarquia descabelada dos Sex Pistols. Ian Curtis, o genial vocalista, morto no auge, vai continuar para sempre sendo reverenciado pelo poder, lirismo e angústia das suas grandes canções. O grande mártir dos anos 80, suas lindas canções e sim, uma bela história.
No célebre verão de 1976, a Inglaterra foi percorrida por um autocarro lendário, carregando os Sex Pistols e os Heartbreakers de Johnny Thunder para a tour Anarchy in the UK. Quase todas as prefeituras proibiram a turma de se apresentar. Mas, no Free Trade Hall de Manchester, o concerto acabou acontecendo. Na platéia, gente que no futuro seriam estrelas, como os futuros membros de Buzzcocks, The Fall, Magazine, Duruti Column, Smiths, e, é claro, Joy Division.
A idéia inicial de montar uma banda partiu de dois amigos inseparáveis, Peter Hook e Bernard Dicken. Ian Curtis era apenas um conhecido, um doido que andava por concertos punks vestindo uma jaqueta com a palavra "ódio" pintada. Através de anúncios de jornal recrutaram Curtis , além de conseguirem um baterista, Terry Mason.
Diz a lenda que o grupo foi baptizado de Stiff Kittens ("gatinhos rijos") por Pete Shelley, o cabeça dos Buzzcocks. Esta versão é contestada pelo livro An Ideal for Living, onde está escrito que tudo começou na casa onde moravam o empresário dos Buzzcocks e Howard Devoto (co-fundador do grupo, que saiu pra montar o Magazine). Numa bela noite, uma miuda chamada Lou entrou na sala e disse: "Lá em cima está cheio de gatinhos durinhos", anunciando que a gata deles havia abortado toda a cria. Mas eles não estavam satisfeitos com o nome, soava como uma banda punk qualquer, o que definitivamente não era o caso. Optaram por Warsaw (Varsóvia), a partir de "Warzawa", faixa de Low, de David Bowie, na qual Ian era fanático. Este nome acabaria descartado para evitar confusões com a banda londrina Warsaw Pact.
Estrearam abrindo o concerto dos Buzzcocks, no final de maio de 1977, no Electric Circus - misto de galpão e night club que durou só até outubro daquele ano, mas foi o vértice da cena punk de Manchester. Comentário de um jornalista enviado para cobrir o evento, sobre os Warsaw: "Nem o mais demente metaleiro poderia se excitar com isso".
A banda ainda passaria o ano de 77 como Warsaw. Ao mesmo tempo que o punk tomava o poder e passava a ser a atração mais "quente" do show-biz, o quarteto abria muitos concertos por clubes do norte da Inglaterra. O primeiro registro em vinil acabaria sendo "At a Later Date", incluída num EP ao vivo, gravado durante o fim de semana de despedida do Electric Circus, Short Circuit. É ouvir e constatar: os Warsaw eram apenas mais uma banda punk, sem identidade além de um elo entre os Stooges e os Buzzcocks. Demorariam cerca de um ano para forjar uma alquimia sonora que deixaria uma marca incicatrizável no rosto "adolescente" da música pop.
O novo baptismo viria de um livro sobre sadomasoquismo nos campos de concentração alemães, The House Of Dolls. As chamadas "divisões da alegria" seriam os espaços reservados para as prostitutas presas mantidas vivas para a diversão dos oficiais.
Com constantes trocas de bateristas: sai Terry Mason (que havia sido forçado pela banda a aprender e tocar), entra Tony Tabac, sai Tony Tabac, entra Steve Brotherdale, sai Steve Brotherdale... A banda resolve colocar anúncios em lojas de discos com o intuito de arrumar o baterista definitivo. O experiente Stephen Morris, faz alguns testes e entra para a banda.
Os Joy Division começam a investir na cena musical, e lançam de modo independente o EP "An Ideal For Living". O disco não foi bem recebido e teve má reputação. Porém, uma grande actuação num concerto no Rafters Club chamou a atenção do DJ local, Rob Gretton (que viria a ser o seu futuro empresário) e do apresentador de TV e empresário Tony Wilson, dono da gravadora independente Factory. Após uma tentativa frustada de lançar um disco pela RCA, acabam assinando com Wilson. Logo sai uma colectânea da gravadora, o EP duplo A Factory Sample, com duas músicas dos Joy Division ("Digital" e "Glass"), junto de outras bandas como as fundamentais Duruti Column e Cabaret Voltaire. A banda estava com o repertório a arder, anos-luz dos rascunhos do Warsaw.
Uma pessoa responsável pelo som poderoso dos Joy Division é, com certeza, Martin Hannet. Grande produtor, mixava de forma inovadora o LP: colocou a bateria à frente de todos os instrumentos, fora o baixo ultra-melódico de Peter Hook, por trás de tudo a voz de Curtis, abrindo planos como o Saara dentro de uma música essencialmente compacta. A guitarra de Bernard, pouco aparecia. Ao ouvirem pela primeira vez a mixagem final do álbum, reações distintas: Bernard e Peter odiaram (acharam sombrio e pouco barulhento); Ian gostou; Tony Wilson, o chefe, adorou; a imprensa, igualmente.
"Unknown Pleasures" foi lançado em junho de 1979 e colocou os jornalistas dos quatro cantos da Inglaterra atrás da banda para marcar entrevistas e sessões de fotos. Não aceitavam de jeito nenhum. O disco era realmente maravilhoso: "Shadowplay", "Disorder", a linda "She´s Lost Control", clássico atrás de clássico. O que marcava as pessoas era a depressão das letras, que pareciam vindas de um velho a beira da morte. Uma resenha, no semanário inglês Sounds, intitulada Death Disco fez um comentário peculiar: "Quem estiver com depressão quando ouvir este disco, vai se atirar de uma janela". A popularidade da banda aumenta ainda mais com o lançamento do single "Transmission". Ao vivo, Ian Curtis tornava-se um espetáculo à parte, dançando freneticamente e simulando espasmos convulsivos. Na verdade, a estranha dança era uma alusão à epilepsia, doença controlável, à qual Ian travava uma batalha incessável. Muitas vezes mal se podia saber se eram convulsões verdadeiras ou se faziam parte do concerto.
O novo LP era aguardado ansiosamente. Após uma tour européia, a banda vai para o Brittania Row Studios, propriedade dos Pink Floyd, e onde o Floyd gravou o multiplatinado Animals. A banda gravou rapido, no mesmo esquema do anterior, com produção de Martin Hannet novamente, mas o resultado... foi ainda melhor: Closer é uma obra-prima do começo ao fim. Um dos melhores discos dos anos 80,e de todos os tempos. Porém, em 18 de Maio, Ian morre. Havia traído a esposa numa turnê na Bélgica. Quando confessou o erro, foi prontamente abandonado. Ouviu o ótimo The Idiot, de Iggy Pop, um de seus ídolos e enforcou-se. Ninguém da banda chorou no funeral, e foi lançado Closer e o single de "Love Will Tear Us Apart", que ironicamente se tornou o maior sucesso da banda, e entrou pela primeira vez na top´s ingleses. Em breve, Closer também conseguiria o feito. O disco é realmente maravilhoso: "Isolation" é genial com o seu refrão, "Heart And Soul", "Decades"...
Com a morte de Ian, os remanescentes dos Joy Division, recrutam a teclista Gilliam Gilbert e montam o New Order, outra banda genial com os seus toques eletrônicos, uma evolução da banda anterior. Mas isso é outra história.
Começam a pipocar as óbvias coletâneas póstumas. Still, coletânea dupla, saiu em 1981, com sobras de estúdio no disco 1 e último concerto da banda no disco 2. Em 1988 saiu a Substance, só com canções que saíram em compactos, entre elas músicas raras como "Komakino" e "Incubation". Permanet, de 1995, só reúne o essencial da banda, é óptima para iniciados, mas não contém novidades. Genial é a caixa básica Heart And Soul, de 1997, com versões diferentes para clássicos e muita coisa ao vivo. Depois, surge o disco ao vivo Preston 28 February 1980, lançado em 1999, um grande concerto da banda, com versão de oito minutos para "The Eternal" e uma raivosa interpretação de "Colony".
Por fim, em 2001, é lançado mais um registro ao vivo da banda, o disco Les Bains Douches.
Uma coisa é certa: a genialidade de Ian Curtis estará sempre acima de oportunismos ou artistas que não honram o microfone que seguram. Um ser eterno, o grande mártir dos anos 80.As suas letras maravilhosas não vao sair da cabeça dos seus fâs nunca. "And Love, love will tear us apart again...".



An Ideal For Living(EP)1978

01 Warsaw
02 No Love Lost
03 Leaders Of Men
04 Failures


Transmission(Single)1979

01 Transmission 3:35
02 Novelty 3:59


Unknown Pleasures(1979)

01 Outside
02 Disorder 3:36
03 Day Of The Lords 4:43
04 Candidate 3:00
05 Insight 4:00
06 New Dawn Fades 4:47
07 Inside
08 She’s Lost Control 3:40
09 Shadowplay 3:50
10 Wilderness 2:35
11 Interzone 2:10
12 I Remember Nothing 6:00


Closer(1980)

01 Atrocity Exhibition
02 Isolation
03 Passover
04 Colony
05 A Means To An End
06 Heart And Soul
07 Twenty Four Hours
08 The Eternal
09 Decades


Komakino(Single)1980

01 Komakino 2:44
02 Incubation 3:42
03 As You Said 1:51


Licht Und Blindheit(Single)1980

01 Atmosphere 4:09
02 Dead Souls 4:53


Love Will Tear Us Apart(Single)1980

01 Love Will Tear Us Apart 3:25
02 These Days 3:35
03 Love Will Tear Us Apart 3:14


She's Lost Control/Atmosphere(Single)1980

01 She's Lost Control
02 Atmosphere


Still(1981)

01 Exercise One 3:05
02 Ice Age 2:22
03 The Sound Of Music 3:53
04 Glass 3:55
05 The Only Mistake 4:15
06 Walked In Line 2:46
07 The Kill 2:14
08 Something Must Break 2:47
09 Dead Souls 4:52
10 Sister Ray 7:34
11 Ceremony 3:50
12 Shadow Play 3:54
13 A Means To An End 4:01
14 Passover 5:05
15 New Dawn Fades 4:01
16 Twenty Four Hours 4:00
17 Transmission 3:33
18 Disorder 3:20
19 Isolation 3:05
20 Decades 5:22
21 Digital 3:53


Here Are The Young Men(1982)

01 Decades
02 Dead Souls
03 Love Will Tear Us Apart
04 Shadowplay
05 Day Of The Lords
06 Digital
07 Colony
08 New Dawn Fades
09 Auto-Suggestion
10 Transmission
11 Sound Of Music
12 She's Lost Control
13 Walked In Line
14 I Remember Nothing
15 Love Will Tear Us Apart


The Peel Sessions(EP)1986

01 Exercise One 2:30
02 Insight 3:55
03 She's Lost Control 4:10
04 Transmission 3:55


Atmosphere(Single)1988

01 Atmosphere 4:11
02 The Only Mistake 4:15


Substance(1988)

01 Warsaw
02 Leaders Of Men
03 Digital
04 Autosuggestion
05 Transmission
06 She's Lost Control
07 Incubation
08 Dead Souls
09 Atmosphere
10 Love Will Tear Us Apart


Peel Sessions(1990)

01 Exercise One 2:30
02 Insight 3:55
03 She's Lost Control 4:10
04 Transmission 3:55
05 Love Will Tear Us Apart 3:20
06 24 Hours 4:05
07 Colony 4:00
08 Sound Of Music 4:20


Permanent: Joy Division (1995)

01 Love Will Tear Us Apart 3:11
02 Transmission 3:35
03 She's Lost Control 3:58
04 Shadow Play 3:53
05 Day Of The Lords 4:46
06 Isolation 2:53
07 Passover 4:45
08 Heart And Soul 5:49
09 Twenty Four Hours 4:26
10 These Days 3:28
11 Novelty 4:01
12 Dead Souls 4:54
13 The Only Mistakes 4:13
14 Something Must Break 2:52
15 Atmosphere 4:10
16 Love Will Tear Us Apart (Permanent Mix) 3:37


Preston 28 February 1980(1999)

01 Incubation 3:06
02 Wilderness 3:02
03 Twenty Four Hours 4:39
04 The Eternal 8:39
05 Heart And Soul 4:46
06 Shadowplay 3:50
07 Transmission 3:23
08 Disorder 3:23
09 Warsaw 2:48
10 Colony 4:16
11 Interzone 2:28
12 She's Lost Control 5:02


The Complete BBC Recordings(2000)

01 Exercise One
02 Insight
03 She's Lost Control
04 Transmission
05 Love Will Tear Us Apart
06 24 Hours
07 Colony
08 Sound Of Music
09 Transmission
10 She's Lost Control
11 Ian Curtis & Stephen Morris Interviewed By Richard Skinner


The Best Of Joy Division(2008)

01 Digital 2:52
02 Disorder 3:30
03 Shadowplay 3:52
04 New Dawn Fades 4:47
05 Transmission 3:37
06 Atmosphere 4:10
07 Dead Souls 4:56
08 She's Lost Control 4:56
09 Love Will Tear Us Apart 3:27
10 These Days 3:28
11 Twenty Four Hours 4:28
12 Heart And Soul 5:50
13 Incubation 2:53
14 Isolation 2:53


Sem comentários:

Enviar um comentário

Prazeres Ocultos Banner Link-Me